Banco de Alimentos

 

O Banco de Alimentos é uma iniciativa de abastecimento e segurança alimentar e funciona através da coleta dos produtos não comercializados pelos atacadistas e produtores rurais nas Unidades da CEASA/PR.

Também são recebidas doações do Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, programa coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, com o objetivo de garantir o acesso aos alimentos em quantidade, qualidade e regularidade necessárias as populações em situação de insegurança alimentar e nutricional e promover a inclusão social no campo por meio do fortalecimento da agricultura familiar.

 

Logomarca do Banco de Alimentos

 

Ilustração

O PAA adquire alimentos, com isenção de licitação, por preços de referência que não podem ser superiores nem inferiores aos praticados nos mercados regionais, até o limite de R$ 3.500,00 ao ano por agricultor familiar que se enquadre no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF, exceto na modalidade Incentivo à Produção e Consumo do Leite, cujo limite é semestral.

Os produtos, tanto os arrecadados na Ceasa quanto pelo PAA são recebidos, selecionados e distribuídos gratuitamente às entidades assistenciais a às famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional, previamente cadastradas, como forma de complementação às refeições diárias da população assistida. Em contrapartida, as entidades atendidas pelo Banco de Alimentos participam de atividades de capacitação em educação alimentar, para que o conhecimento seja repassado à comunidade.

 

 

Público Alvo

Creches, hospitais, asilos, casas de recuperação, casas lares e outros, que atendam pessoas em estado de insegurança alimentar e nutricional e famílias em vulnerabilidade social.

 

Doações

 
Como receber doações.

Para que a instituição social tenha acesso as doações do Banco de Alimentos, deverá, por meio de representante legal, formalizar  o seu pedido de doação de alimentos, fazendo uso de formulário próprio.

1. Formulário de cadastro preenchido

2. Inscrição do CNPJ

3. Documento de identificação responsável

3. Inscrição nos conselhos nacionais, setoriais ou Titulo de Utilidade Pública. Requisito de prioridade no atendimento.
Obs.: A instituição requerente terá o prazo de até 120 dias para entrega dessa documentação.

4. Estatuto da Entidade

5. Ata de fundação da entidade

6. Ata de posse da diretoria

7. Comprovante de endereço da Entidade

8. Alvará de funcionamento atualizado

9. Para instituições que servem refeição no local, apresentar licença sanitária.

10. Relatório de atividades ou projeto contendo todas as atividades, com dias, horários e responsáveis por cada atividade desenvolvida.

 
Formulários Banco de Alimentos.

 1- Formulário de Cadastro de Entidades

 2- Termo de Compromisso entre a Entidade Social e o Banco de Alimentos

 3-  Formulário de Cadastro Familiar

ATENÇÃO:
Após selecionar o formulário e preenchê-lo, enviar:

1) Via Fax
Atenção Sra. Jaqueline dos Reis Macedo
(xx)-41-3348-5501

2) Via e-mail
bancodealimentos@ceasa.pr.gov.br

 

 
Vídeo

 Semana Mundial da Alimentação

No encerramento das atividades da Semana Mundial da Alimentação, realizada de 13 a 16 de outubro, o diretor presidente da Ceasa Paraná, Natalino Avance de Souza agradeceu a todos que se empenharam na realização do trabalho solidário, de combate à fome e contra o desperdício. Destacou também as importantes parcerias dos agricultores e permissionários atacadistas da empresa, que colaboram diariamente com doações para o programa Banco de Alimentos das cinco unidades da empresa no Estado – em Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu. Em média, por mês, são repassados cerca de 518 mil quilos de hortigranjeiros para 531 entidades assistenciais cadastradas no programa, que beneficia cerca de 130 mil pessoas. O site da Ceasa Paraná também passará a prestar contas dos resultados do Banco de Alimentos, como volume das doações e quais as entidades atendidas.

No Centro de Eventos da Ceasa de Curitiba, a teleconferência com a chefe de cozinha Regina Tchelly, idealizadora do programa Favela Orgânica, do Rio de Janeiro, encerrou a programação da semana que teve 19 eventos entre aulas práticas de utilização e reaproveitamento de hortigranjeiros, palestras, workshops, debates, exposições sobre culinária, gastronomia, exposições fotográficas e lançamento de livro de receitas.